Nova Monte Verde

15.Out.2018

(66) 9.9920-7732

Notícia

Postada em 24 de Julho de 2018 às 05h23min

Mato Grosso perde R$ 150 milhões na arrecadação de ICMS, dados IBGE.

O efeito cascata continuou mesmo depois da retomada das atividades dos caminhoneiros

Fonte: Gazeta Digital

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou estudo que aponta o Mato Grosso como o mais afetado na produção industrial em decorrência da greve dos caminhoneiros, uma queda de 24,1% entre maio e junho.

O resultado no estado, segundo o IBGE, foi pressionado pelos setores de produtos alimentícios, tais como: carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas, tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja, carnes de aves congeladas e óleo de soja em bruto.

nas transferências federais. Mato Grosso deixou de arrecadar nos últimos 50 dias cerca de R$ 150 milhões referente ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

De acordo com a Secretaria de Fazenda (Sefaz) a frustração de receita ainda é reflexo da greve dos caminhoneiros que afetou, principalmente, os setores de combustíveis e de energia, que movem o setor industrial.

Somente nos 11 dias de paralisação foram cerca de R$ 80 milhões que deixaram de entrar no caixa do Tesouro Estadual. A Sefaz estima uma perda de R$7 a R$ 8 milhões por dia, durante o período da greve.

O efeito cascata continuou mesmo depois da retomada das atividades dos caminhoneiros, pois o reabastecimento nos postos de combustíveis levou alguns dias para ser normalizado, por isso a greve ainda reflete na arrecadação, pois o recolhimento do imposto não acontece imediatamente depois da venda no varejo. E nesse período pós paralisação foram mais R$ 50 milhões de frustração somente com combustíveis.

A energia foi outro segmento que sofreu o efeito dominó da greve porque grandes consumidores, principalmente do setor industrial, ficaram sem receber matérias-primas e tiveram que reduzir o ritmo da produção e demandaram menos energia elétrica, o que resultou em uma frustração de R$ 30 milhões.

São recursos importantes que não têm como ser recuperados e impactam o custeio da máquina pública, que gira em torno de R$ 120 milhões ao mês. A baixa de arrecadação afeta a recuperação fiscal em que se encontra.

Segundo o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, “essa queda compromete os compromissos de curtíssimo prazo, mas medidas estão sendo tomadas tanto no controle da despesa quanto no incremento de receita, no combate à sonegação, para repor as perdas“.

Peça sua música

Top 5

1

Ar Condicionado No 15

Wesley Safadão

2

Na Conta Da Loucura

Bruno & Marrone

3

Regime Fechado

Simone & Simaria

4

Aquela Pessoa

Henrique & Juliano

5

TE AMO MAS AINDA ME AMO MAIS

HENRIQUE SALLES

Promoção